quinta-feira, 19 de Março de 2009

Antecedentes do Movimento Hippie


Há 50 anos atrás, na Inglaterra nascia o mais famoso símbolo da paz depois da pomba branca.
O símbolo não foi criado originalmente para esse fim. O designer Gerald Holtom criou o símbolo para uma marcha a favor do desarmamento nuclear unindo dois símbolos, utilizados para comunicação por bandeiras, um para "N" (de nuclear) e outro para "D" (de desarmamento), e o círculo representando o planeta Terra.
A ideia era dar a impressão de um homem em desespero com os braços estendidos.
Depois da Inglaterra, o símbolo foi parar aos EUA e daí se espalhou pelo mundo representando vários movimentos a favor da paz, desde a guerra contra o Vietname até a luta contra o Apartheid na África do Sul.
O símbolo já foi interpretado como uma pata de galinha, uma runa que simboliza a morte, um símbolo satânico por lembrar uma cruz invertida e quebrada; e foi utilizado como símbolo de uma marca de cigarros.
Hoje, ainda é utilizado em Inglaterra com o significado original de luta contra as armas nucleares.

Contudo, as raizes do movimento Hippie podem ser detectadas desde os anos 40, após os final da II Guerra Mundial: após um período de 30 anos com duas guerras altamente destrutivas e uma prolongada depressão económica, começaram a despontar sinais de um forte movimento de contracultura, contestatária do sistema. Ironicamente, esta contestação começava nos EUA, país que menos tinha sofrido com a guerra e num período em que a economia estava lançada na recuperação.
O poeta Allen Ginsberg pode ser considerado como um dos progenitores deste movimento. As palavras escritas foram usadas para exprimir a sua frustação, protestanto contra aquilo que consideravam estar errado no mundo, tendo ficado conhecidos como a "Geração Beat".
Nos anos 50 o movimento crescera e expandira-se. Nos café e clubes de jazz juntavam-se para conversar e declamar poesia. Foi destes espaços que emergiram os "Beatniks", caracteristicamente vestidoscom roupas informais, os homens de barba, usando óculos escuros a qualquer hora do dia. Usavam frequentemente a expressão "I'm hip". Dizia-se que o seu modo de se expressar era "hip", e havia quem lhe chamasse "Hipsters". A expressão ir-se-ia desenvolvendo até chegar a "Hippies".
Foram os hippies que trouxeram o movimento dos cafés para as universidades e a universidade de Berkley tornou-se na mais conhecida, e também polémica, devido a isto. Por exemplo, em 1964, devido ao Movimento pela Liberdade de Expressão, os responsáveis por Berkley proibiram a distribuição de material de protesto fora dos portões da universidade. O estudantes recusaram e a polícia foi chamada: a decisão de levantar processos aos estudantes levou-os a ocupar o edifíco principal da universidade. Em Março de 1965 os estudantes da Universidade de Michigan levaram a cabo a primeira acção com o objectivo de mostrar que a guerra do Vietname era imoral e que os EUA a deveriam abandonar.
O movimento estudantil contestava injustiças sociais tais como o racismo, a pobreza, inferioridade direitos das mulheres, a falta de liberdade de expressão. A guerra do Vietname começou gradualmente a ser contestada. Os protestos e manifestações tornaram-se frequentes, por vezes em confrontação com a polícia. Os incidentes mais grave ocorreram na Universidade de Kent, onde a Guarda Nacional disparou sobre manifestantes, matando quatro estudantes.

Modo de Vida e objectivo Hippie


Podemos começar por dizer que a cultura hippie é bastante democrática, os indivíduos hippies são, geralmente, pessoas gentis e que se relacionam extremamente bem com os demais grupos culturais de uma sociedade, isso até é comprovado pelo grande número de pessoas que, apesar de não serem hippies, usam alguns acessórios característicos do movimento e tem uma admiração profunda pela cultura.
Os hippies adoptavam um modo de vida comunitário tendendo a uma espécie de socialismo-anarquista ou estilo de vida nómada e à vida em comunhão com a natureza, negavam o nacionalismo e a guerra do vietname, bem como todas as guerras, abraçavam aspectos de religião como o budismo,hinduismo, e/ou as religiões das culturas nativas norte-americanas e estavam em desacordo com os valores tradicionais da classe média americana e das economias capitalistas. Eles enxergavam o patriarcalismo,o miltarismo,o poder governamental,as corporações industriais, massificação, o capitalismo e o autoritarismo. Nos anos 60, muitos jovens passaram a contestar a sociedade e a pôr em causa os valores tradicionais.
As feiras hippies são um excelente exemplo para podermos provar que eles se relacionam bastante bem com outras pessoas. Com a exposição e venda de produtos e objectos, eles estão de certa forma a relacionar-se com várias pessoas, difundindo a cultura. Caso não quisessem compartilhar os seus costumes não faria sentido existirem as tais feiras.
Aliás, esta é uma das características que a torna uma cultura peculiar. É raro vermos outros grupos culturais a montar feiras e expondo as suas culturas tão abertamente da maneira como os estes fazem. Além do carisma único ao lidar com as pessoas, eles também tem um ideal de uma sociedade, de paz e amor, que inovou, conquistando cada vez mais adeptos em todo o mundo. Os hippies começaram a fabricar objectos para obterem sustento: ganhar dinheiro fabricando a sua própria mercadoria que divulga a sua cultura. Por meio da produção de objectos artesanais a cultura hippie mostra a sua arte, ganha o seu dinheiro e divulga a sua cultura para todos.
Os hippies também são viajantes que acompanham as suas bandas preferidas, ou por vezes nos intervalos da economia global.
Gostam de tocar músicas em casas de amigos ou em festas ao ar livre. “Espalham” o amor livre sem distinções, a liberdade e a não-violência. Alguns usam drogas e fazem culto pelo prazer livre, seja ele qual for. Demonstram pouco interesse pela política e fizeram várias manifestações contra a Guerra do Vietname e contra a política, são pacifistas, não ligam muito à tecnologia, logo preferem ficar em contacto com a Natureza.

Alimentação e Habitação

Muitos hippies deixaram a cidade para seguirem em direcção ao campo para viver em comunidades auto-sustentáveis. A comida? Vinha da hortas.
E no que diz respeito à alimentação, os hippies são adeptos do consumo de comidas naturais como frutas, verduras e alimentos integrais.
Inicialmente, e ainda podemos observar hoje em dia, os hippies viviam no campo longe da confusão e poluição das cidades mas, em 2008 pudemos observar que muitos hippies deixaram para trás a vida do campo e, os neo-hippies, estão a começar a investir em casas e condomínios sustentáveis.

Festival de Woodstock


"Foram os melhores tempos. Foram os piores tempos. Foi uma amálgama que não se voltará a repetir."



Ainda hoje é discutido o verdadeiro propósito do Festival de Woodstock. Há quem defenda que o Festival deu um novo rumo à humanidade, outros vêem-no como um acontecimento ridículo que pôs fim a uma era de ingenuidade e, como sempre, há aqueles que consideram que o Festival foi uma "festa dos diabos".
Woodstock, em1969, arrastou mais de 450 mil pessoas para uma uma fazenda em Bethel, nos subúrbios de Nova Iorque. Nos três dias que se seguiram (15, 16 e 17 de Agosto), tudo era permitido: as drogas tornaram-se legais e a liberdade para o amor era total. Estávamos perante um verdadeiro movimento de contra cultura.
O conceito de Woodstock era comum nos Estados Unidos, contudo houve algo que tornou estes concertos no símbolo da contracultura hippie. Para além da adesão ter sido inesperada – as autoridades viram-se mesmo obrigadas a declarar “estado de emergência”, atraindo as atenções de todo o mundo, o Festival foi filmado e documentado. Michael Wadleigh deu origem ao documentário "Woodstock" que permitiu corporizar em imagens duradouras a iconogafia hippie e a contra-cultura rock. “Woodstock” ganhou, em 1971, um Óscar para “Melhor Documentário”.
O evento incorporava diversos estilos musicias que de alguma forma se relacionavam com as propostas do movimento hippie: o folk, com seu pacifismo e sua contundente crítica social, o rock, que representava a contestação do conservadorismo dos valores tradicionais, o blues, com sua melancolia que havia décadas já mostrava as contradições da sociedade norte-americana, a cítara de Ravi Shankar, representando a presença marcante da influência oriental na contracultura, entre outros.
O Festival de Woodstock representou um marco no movimento de contracultura dos anos 60 e foi o auge da era hippie. Para alguns, não foi somente o auge, mas também o fim do movimento, ou o início do fim.

Curiosidades àcerca do Festival:
· A banda Grateful Dead tocou durante a chuva. Alguns membros da banda levaram choques durante a sua apresentação e Phil Lesh (o baixista) ouviu o rádio de transmissão de um helicóptero através do amplificador do seu baixo enquanto tocava.
· The Doors inicialmente concordaram em tocar pois acharam que o festival fosse ocorrer no Central Park, mas recusaram quando souberam que o festival se iria realizar fora de Nova Iorque.
· Jimi Hendrix estava agendado para tocar no domingo, mas, pelas ocorrências inesperadas, acabaram por tocar na manhã de segunda-feira, quando restavam apenas 35.000 pessoas.
· Foram documentadas apenas duas mortes no festival: uma pessoa morreu de overdose de droga, a segunda pessoa morreu ao ser atropelada por um trator enquanto dormia no campo. Para além disso, apenas 200 pessoas foram detidas sob o incontestável efeito de drogas.
· The Jeff Beck Group estava agendado para tocar no festival, mas cancelou porque a banda acabou uma semana antes.
· Iron Butterfly ficaram presos no aeroporto.
· Os Lighthouse estavam certos de que tocariam no festival, mas, no final, acabaram por não tocar, pois temeram que desse má reputação à banda. Mais tarde, alguns membros do grupo disseram que se arrependeram da decisão.
· Vários grupos cancelaram, estando entre eles The Doors, Led Zeppelin, The Beatles, Frank Zappa e The Mothers of Invention.


Summer of Love


The Summer of Love – Verão do Amor refere-se ao Verão de 1967, quando 100 000 pessoas se deslocaram até s. Francisco, dando origem a um fenómeno cultural e a uma revolução política. Enquanto isto, outros hippies também se reuniam em cidades como Nova Iorque, Los Angeles, Atlanta, Philadelphia, Chicago, mas também em cidades europeias.
S. Francisco era o epicentro da revolução hippie, representava um melting pot de música, drogas, liberdade sexual e de expressão, criatividade e política.
Este movimento de contra-cultura não tinha precedents: nunca tantos jovens se haviam juntado, dando origem a uma experiência revolucionária, criando novos estilos de vida e maneiras de a interpretar.

Movimento Hippie nos EUA


1960
Janeiro - Bob Dylan, com 19 anos, toca no "Café Wha" em Greenwich Village e visita Woody Guthrie no Hospital Jan. - Manifestações pelos Direitos Civis em Atlanta Jul. - Teste médico de Sidney Cohen em 5 mil indivíduos conclui que LSD "é seguro". Ago. 9 - Timothy Leary, de 39 anos, experimenta cogumelos psilocybin em Cuernavaca Nov. - JFK é eleito presidente. Dez - As pílulas contraceptivas começam a ser vendidas nos EUA.

1961
Fev. 1 - Quatro estudantes negros presos num lanche "reservado a brancos" em Greensboro, Carolina do Sul Fev. 18 - Bertrand Russell, de 89 anos, dirige uma marcha de 20 mil pessoas contra o nuclear na Grã Bretanha e é preso por 7 dias Abr. 12 - Yuri Gagarin - 1º homem no espaço Maio 28 - Fundação da Amnistia InternacionalAgo. 13 - Inicio da construção do Muro de Berlim Set. 15 - EUA iniciam testes nucleares subterrâneos

1962
Set. - Timothy Leary funda a "International Foundation for Internal Freedom" (IFIF) para promover a investigação do LSD;


1963
Jan. - Wallace faz o discurso "Segregação para Sempre" na tomada de posse como Governador do Alabama Jun. 11 - JFK propõe Lei dos Direios Civis Jun. 12 - Lider dos Direitos Civis, Medgar Evers, assassinado. Ago. 28 - Martin Luther King faz o discurso "I Have a Dream" na marcha pelos Direitos Civis de Maço de 1963, perante 20 mil Out. 13 - Beatles na TV no London Palladium; audiência de 15 milhões para ouvir "She Loves You" e "Twist and Shout". Nov. 22 - Aldous Huxley morre por tomar LSD (intencionalmente!) Nov. 24 - LBJ promove escalada na Guerra do Vietname

1964
Fev. 9 - Os Beatles aparecem no Ed Sullivan Show (EUA), 74 milhões: a maior audiência na história da televisão. Maio - Primeira visita de Bob Dylan a Inglaterra, encontra os Beatles e os Rolling Stones; introduz os Beatles na marijuana. Jul. 2 - LBJ assina a Lei dos Direitos Civis: serviços públicos abertos a todos Jul. 18 - Motim racial no Harlem, NY Out. 14 - Martin Luther King ganha o Prémio Nobel da Paz

1965

Ago. 11 - Motim racial (6 dias) em Watts, 35 mortos Ago. 31 - Queimar cartões de recruta torna-se ilegal nos EUA Set. 5 - O escritor Michael Fallon de San Francisco aplica o termo "hippie" à contra-cultura de S. Francisco num artigo sobre o café Blue Unicorn. Nov. 22 - Bob Dylan muda a residência para Woodstock, N.Y.

1966
Jan. 21 - Primeiro concerto dos Grateful Dead em S. Francisco, para 10 mil pessoas. Mar. 25 - Protestos contra a guerra do Vietname em NY - 25 mil na 5ª Avenida Abr. - FBI divulga documento sobre o LSD; a droga começa a receber má reputação na imprensa Abr. 7 - Laboratório Sandoz interrompe o fornecimento de LSD a investigadores Maio 15 - Manifestação anti guerra em Washington - 10 mil participantes Ago. 5 - Lennon diz que os Beatles são mais populares que Jesus Set. - Timothy Leary dá uma conferência de imprensa em NY onde anuncia a formação de uma religião psicadélica: "League for Spiritual Discovery" (LSD) com a palavra de ordem "Turn on, tune in, drop out"

1967
Abr. 10 - Semana do Vietname; manifestações anti-guerra e queima de cartões de recrutamento Abr. 15 - Protesto contra a guerra do Vietname. 400 mil marcham desde Central Park até à ONU; discursos de Martin Luther King, Stokely Carmichael e Dr. Benjamin Spock Maio - Paul McCartney anuncia que todos os Beatles deixaram de "tomar ácido." Maio 20 - Dia do "Flower Power" em NY Jun. 25 - Beatles cantam "All You Need Is Love" na TV Jul. - "Summer of Love" em S. Francisco Jul. - Verão dos motins nos EUA; negros tomam as ruas em Chicago, Brooklyn, Cleveland e Baltimore Out. 21 - "Diggers" exorcisam o Pentágono; 35 mil manifestantes, 647 são presos Dez. 31 - Abbie Hoffman, Jerry Rubin, Paul Krassner, Dick Gregory e amigos declaram-se "Hippies"

1968
Jan. 16 - Fundada a Youth International Party (Hippies) Abr. 4 - Martin Luther King assassinado em Memphis Abr. - Na semana seguinte à morte de Martin Luther King motins em 125 cidades dos EUA Abr. 29 - O musical rock "Hair" estreia na Broadway Maio. - Revolta estudantil em Paris; os estudantes ocupam as ruas

1969
Fev. 11 - 200 estudantes destroiem computadores à machadada na sequência de protesto contra o racismo no George Williams College de Montreal Maio 15 - Hippies no parque da Universidade de Berkeley atacados pela polícia e Guarda Nacional Jul. 14 - Estreia do filme "Easy Rider" Ago. 15 - 17 Festival de Woodstock - 500 mil presentes para 3 dias de música e paz Out. 21 - Morre Jack Kerouac, autor beat de "On the Road". Nov. 15 - Mais de 500 mil marcham em Washington pela paz. Maior manifestação anti-guerra dos EUA.

1970
Abr. 7 - Referindo-se aos protestos estudantis, o governador da Califórnia, Ronald Reagan, afirma: "Se for necessário um banho de sangue, vamos a isso." Abr. 10 - Paul McCartney anuncia o fim dos Beatles Set. 18 - Jimi Hendrix morre com 27 anos

1971
Abr. 19 - Mais de mil veteranos de guerra manifestam-se em Washington contra a Guerra do Vietname, atirando as medalhas sobre a vedação do Capitólio Jul. 3 - Jim Morrison dos Doors morre em Paris Dez. - Fundação do Greenpeace em Vancouver, Canada

1973
Jan. 27 - Assinado o cessar fogo no Vietname, depois de 58 mil baixas americanas; termina o recrutamento obrigatório Mar. 29 - Saída da últimas tropas americanas do Vietname

Hippies no mundo

Portugal

Em 1969 Sérgio Gosdinho actua, durante dois anos, na produção francesa do musical «Hair» onde conhece Shila. Em Paris toma contacto com outros músicos exilados, como Luís Cília e José Mário Branco.
Em1973 Sérgio Godinho junta-se à companhia de teatro Genesis. Estabelece-se em Vancouver, numa comunidade hippie. Em Portugal, a Sassetti edita "Pré-Histórias". É no Canadá que o 25 de Abril o apanha, regressando a Portugal pouco depois da Revolução.

Frederico Amaral Neves, desejoso de se manter a par dos tempos, comprou um fato hippie «fabuloso, com os seus guizos e as suas correntes», que lhe custou uma fortuna. Conservou-o até aos dias de hoje.
Estranhamente, o seu fascínio pelos hippies de S. Francisco e as suas mensagens de “paz e amor” não o impediram de simpatizar com os alemães apologistas da revolução armada. Diz-se mesmo filho de ambos. Quando regressou a Portugal, no seu fato novo e de cabelos crescidos, o pai, que o foi buscar ao aeroporto, não o reconheceu. O rapaz estava a tomar o seu rumo.


Hippies americanos no Rossio

O entretenimento que sobrava eram os estrangeiros. [...] elas preferiam, sobre todos os outros, os americanos. Entre esses, os hippies americanos no Rossio. Entre esses, preferiam os que tivessem as jeans mais rasgadas, os pés mais sujos, os cabelos mais emaranhados. Se eles tocassem guitarra, a tarde estava ganha. Estes rapazes americanos, foram elas descobrindo com a experiência, eram de uma candura inexcedível.
(...) Preferia os americanos porque eles se estavam nas tintas para o lugar. Insiste que, a maior parte das vezes, eles nem sabiam bem onde é que estavam.


Um brasileiro em Paris

Em Paris aconteceram coisas fantásticas. Vou contar uma. [...] Em Paris, onde já tinha encontrado uma turma de hippies portugueses e espanhóis (no mesmo dia que cheguei) e esperava manter contacto com eles. O grupo se reunia numa praça perto dos Campos Elíseos.
(...) Os hippies não paravam de rir, ao mesmo tempo surpresos pelo acontecimento.

Curiosidades do Movimento Hippie

Os hippies alegavam que as drogas ajudavam a "abrir a mente".

A música pop, com as suas baladas melodiosas, e a música rock com os seus ritmos frenéticos, constituíram um meio poderoso para expressão da filosofia hippie. Escrita sob o efeito de drogas e ouvida nas mesmas circunstâncias, julgava-se que a música tinha um efeito libertador da mente. O adjectivo "psicadélico" foi utilizado para a caracterizar.

Timothy Leary , professor universitário que advogava (e praticava) o uso de drogas alucinogénicas como forma de "libertar a mente", tornou-se no principal "guia espiritual" do movimento hippie; criou o slogan "Turn On, Tune In, Drop Out" que resumia os principais aspectos da "contracultura" dos hippies:
-"Turn on" (literalmente "ligar", como em "ligar a luz") significava, na linguagem hippie, "tomar drogas", "ligando a mente" a uma dimensão de maior liberdade;
-"Tune in" (literalmente "sintonizar") tinha o significado de aderir ao estilo e filosofia de vida hippie; -"Drop out" (literalmente "sair", ""abandonar") significava abandonar o estilo de vida tradicional, sair do seio familiar, abandonar as expectativas de uma carreira profissional estável e emprego rotineiro; significava também a recusa de participação na guerra do Vietname (ou qualquer outra).